-

MONUMENTO ÀS BANDEIRAS

Postado em Atualizado em

Monumento as Bandeiras no Parque Ibirapuera. Foto Henrique Boney. 2012

O Monumento às Bandeiras representa os bandeirantes, expondo suas diversas etnias e o esforço para desbravar o país. Além de portugueses (barbados), vemos na obra negros, mamelucos e índios (com cruzes no pescoço), puxando uma canoa de monções, utilizadas nas expedições fluviais.

Monumento as Bandeiras no Parque Ibirapuera. Foto Lucas Sales. 2008Monumento as Bandeiras no Parque Ibirapuera. Foto Lucas Sales. 2008

A obra foi executada por Victor Brecheret na praça Armando Salles de Oliveira, em frente ao Palácio Nove de Julho, sede da Assembléia Legislativa e ao Parque do Ibirapuera. A escultura foi encomendada pelo governo de São Paulo em 1921 e tem 240 blocos de granito, cada um pesando 50 toneladas, com cinquenta metros de comprimento e dezesseis de altura, foi inaugurada em 1954, juntamente com o Parque do Ibirapuera para as comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo.

Monumento as Bandeiras no Parque Ibirapuera. Foto Henrique Boney. 2012Monumento as Bandeiras no Parque Ibirapuera. Foto Henrique Boney. 2012

O monumento também é conhecido pela população como Empurra-empurra ou Deixa-Que-Eu-Empurro, que segundo a divisão de preservação da prefeitura, refere-se ao fato da embarcação nunca sair do lugar, a despeito do contingente que supostamente a puxa. A “resposta” estaria no fato de que as figuras à frente da comitiva não estariam, realmente, tentando mover a canoa, pois as correias estão visivelmente frouxas. A única figura que realmente estaria esforçando-se é a última, a empurrar o barco.

 

Fonte: http://parqueibirapuera.org/areas-externas-do-parque-ibirapuera/monumento-as-bandeiras/

Anúncios

Tomie na Paulista!

Postado em Atualizado em

Tomie na Paulista: Escultura da artista plástica Tomie Ohtake instalada na altura do número 1111 da Avenida Paulista, chama atenção dos paulistanos, renovada adorna São Paulo. Escultura exposta em 2015, respeitosamente ainda conservada! A escultura, feita de aço, tem 8,5 metros de altura e pesa sete toneladas, foi coberta com uma tinta anti-pichação nas cores vermelha e prata. Além de ver esculturas e obras espalhadas pela Paulista, você pode aproveitar os lugares magníficos que se encontram por lá! Dar uma paradinha para tirar fotos em frente a essa escultura bem bonita. Não esqueça que a Paulista é um lugar bem movimentado, então nosso conselho é você deixar o carro em casa e ir de Ligue-Taxi, com rapidez pelo corredor e no conforto sem estresse. Quem ai já viu essa escultura ou já tirou foto? Conte para gente nos comentários.

 

2

A Importância do Cinto de Segurança

Postado em

Os cintos de segurança são o meio mais eficaz que se dispõem para reduzir o risco de ferimentos graves e mortes em acidentes de automóvel. Para sua própria proteção e dos demais ocupantes do veículo utilize sempre os cintos de segurança quando o veículo estiver em movimento. Gestantes e pessoas fisicamente debilitadas também devem utilizar os cintos de segurança, elas estão mais propensas a ficarem seriamente feridas se não estiverem usando cintos de segurança.

Nossos taxista sempre frisa o uso do cinto de segurança. Use o cinto e preserve a sua vida nunca sabemos a consequências dos outros motoristas.

O cinto de segurança impede, em caso de colisão, que seu corpo se choque contra o volante, painel e pára-brisas, ou que seja projetado para fora do carro. Os passageiros sentados no banco traseiro, sem os cintos de segurança, não somente se põem em perigo, como também colocam em perigo os passageiros dos bancos dianteiros. Numa colisão frontal eles também se moverão para a frente onde podem bater e ferir o motorista ou passageiro do banco dianteiro.

Em uma colisão de veículos a apenas 40km/h, o motorista pode ser atirado violentamente contra o pára-brisas ou arremessado para fora do carro. Alguns motoristas pensam que podem amortecer o choque segurando firmemente no volante. Isto é ilusório, porque a força dos braços só é eficaz a uma velocidade de até 10 km/h.

Estatísticas sobre acidentes mostram que passageiros que usam corretamente os cintos de segurança, têm um risco menor de se ferirem e uma chance muito maior de sobreviverem num acidente. Por este motivo, a utilização dos cintos de segurança é exigida legalmente na maioria dos países.

Lembre-se!

O uso do cinto não é opcional. Faz parte das condições de segurança do carro, assim como os freios. Se o carro estiver a 20 km/hora e colidir, a cabeça dos ocupantes será projetada na mesma velocidade contra o pára-brisa. É o suficiente para provocar a perfuração do globo ocular. Portanto, o uso do cinto de segurança é necessário mesmo em baixa velocidade. Imagine o que pode acontecer a 50, 80 ou 100 km / hora.

Fonte: blog duoblindagens.

Convite

Postado em Atualizado em

 

Festa de confraternização da Ligue Taxi 2017

RESERVE SEU CONVITE NA TESOURARIA Fone: 11 2101-3013

O evento será realizado no DIA 2 DE DEZEMBRO DE 2017 das 8:00 h às 16:30 h .

email.jpg

Novembro Azul 2017: Tudo sobre a vigilância ativa no câncer de próstata

Postado em Atualizado em

imagem sem descrição.

Tratamento consiste no monitoramento periódico da doença

A vigilância ativa é um tipo de tratamento seguro para o câncer de próstata que se popularizou nos últimos anos. Caracterizada pelo acompanhamento periódico do tumor, sem que se faça uma cirurgia para sua retirada ou radioterapia, mas mantendo a possibilidade de um tratamento curativo quando for preciso, a vigilância ativa é indicada para tumores pequenos e de baixo risco (pouco agressivos).

Para entender melhor a vigilância ativa, o Portal da Urologia conversou com o urologista de Belo Horizonte e ex-presidente da SBU Dr. Carlos Corradi. Veja:

– O que é vigilância ativa?

A vigilância ativa consiste no monitoramento do câncer de baixo risco e pouco volume por meio de exames e consultas periódicas, normalmente a cada seis meses. Essa classificação é baseada no toque retal, PSA, métodos de imagem como a ressonância multiparamétrica e principalmente na biópsia da próstata.

Um tratamento definitivo, como a prostatectomia radical (retirada da próstata) ou radioterapia (método capaz de destruir células tumorais com radiação ionizantes), somente será indicado caso haja progressão da doença em pacientes com expectativa de vida maior que dez anos. Esse tratamento depende muito da aderência/comprometimento do paciente.

– Desde quando a vigilância ativa começou a ser adotada como tratamento para o câncer de próstata?

Os estudos iniciais começaram há cerca de 15 anos com o Prof. Laurence Klotz, do Canadá, e foi mais popularizada nos últimos anos.

– Há algum risco de se adiar o início do tratamento do câncer porque se optou inicialmente pela vigilância ativa?

Desde que o paciente faça os exames periodicamente, conforme seu urologista determina, nos tumores de baixo risco, a possibilidade é pequena.

– Homens jovens podem fazer esse tratamento?

Estudos recentes mostraram os mesmos resultados oncológicos de sobrevida, independentemente da idade do paciente. Portanto, a idade não é fator importante na vigilância ativa, somente os critérios de baixo risco.

– Quais os benefícios de se ficar em vigilância ativa?

Os benefícios são evitar os efeitos adversos derivados de um tratamento radical, como incontinência urinária e disfunção erétil, que são raros, mas podem acontecer com a prostatectomia radical ou radioterapia.

– Há algum estudo que apresente a porcentagem de sobrevida de quem opta por esse tratamento?

Os estudos mostram que naqueles pacientes que não tiveram progressão da doença, isto é, em torno de 70% dos pacientes que ficaram em vigilância ativa em 15 anos, a taxa de mortalidade por câncer de próstata foi menor que 5%.

– No Brasil e no mundo, qual o número estimado de pacientes em vigilância ativa?

Não se tem a porcentagem de pacientes brasileiros que estão em vigilância ativa. Nos EUA estima-se que estão no protocolo em torno de 40% dos pacientes com doença de baixo risco.

– A vigilância ativa é oferecida no SUS?

Sim. Em diversos serviços do SUS a vigilância ativa é realizada da mesma forma que nos pacientes privados, dependendo muito da aderência do paciente a esse tratamento.

Fonte: Portal da Urologia

O QUE É CÂNCER DE MAMA?

Postado em

O que é câncer de Mama

O câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve nos seios. Todo câncer é caracterizado por um crescimento rápido e desordenado de células.

Quando as células adquirem características anormais, células dos lobos mamários, células produtoras de leite ou dos ductos por onde é drenado o leite, podem causar uma ou mais mutações no material genético da célula. Esta doença acontece quase exclusivamente em mulheres, porém existem casos de homens com câncer de mama também.

Algumas mutações possuem a capacidade de fazer com que uma célula apenas se divida, mas não tenha a capacidade de invadir outros tecidos, estes são chamados de tumores benignos ou não cancerosos.

Para uma célula ser considerada cancerígena é necessário que ocorram mutações no material genético de uma ou mais células e estas adquiram a capacidade não só de se dividir, mas também de evitar a morte celular. Este seria o ciclo normal de vida de qualquer célula do organismo, contudo quando elas invadem os tecidos adjacentes, a doença se instala.

É necessário ficar atenta aos sintomas, fazer o check-up anual para os exames preventivos e fazer o tratamento assim que a doença for descoberta.

Sintomas do câncer de mama

Sintomas do câncer de mama

O câncer de mama inicialmente é assintomático. As formas mais fáceis de se descobrir logo no início são por exames como mamografia, ultrassom ou ressonância magnética. O exame de toque também é importante, ao notar qualquer alteração na mama, agende uma consulta médica.

Algumas alterações físicas das mamas podem ser indícios de câncer de mama. Quando há presença destes indícios, é possível que a doença esteja em um nível avançado.  Fique de olho em alguns sintomas:

  • Dor ou inversão do mamilo
  • Vermelhidão ou descamação do mamilo ou da pele do      seio
  • Aparecimento de nódulos (caroços) no seio ou na  axilas,  podendo apresentar dor ou não, serem duros e  irregulares ou macios e redondos
  • Presença de secreção pelo mamilo, sanguinolenta ou    não
  • Inchaço irregular em parte da mama, que pode ficar  quente e vermelha.
  • Irritação ou retração na pele ou aparecimento de rugosidade semelhante à casca de laranja
  • Nos casos mais adiantados, é possível aparecer ulceração na pele com odor desagradável

Um caroço na mama não significa necessariamente câncer. Grande parte dos nódulos mamários são cistos e adenomas benignos. As mamas se modificam naturalmente ao longo do ciclo menstrual, porém, ao notar as alterações e sintomas descritos acima, é essencial ser consultado rapidamente.

Autoexame de mama

É muito importante que as mulheres, uma vez por mês, façam o autoexame da mama. O autoexame é uma medida importante para identificar nódulos de um possível câncer de mama. Esse procedimento é preventivo e deve ser realizado todos os meses, sempre após o período menstrual.

É essencial estar atenta a alterações como retração da pele ou do mamilo, inchaços, assimetria, avermelhamento, secreção com sangue e gânglios que surgem nas axilas, crescentes ou não.

O autoexame não deve ser o único método preventivo, já que o câncer de mama pode ser imperceptível ao toque. Por isso, é indicado visitar anualmente o ginecologista e/ou mastologista para fazer os exames necessários, como a  mamografia, ultrassonografia mamária e ressonância magnética.

Como fazer o autoexame da mama

Como fazer o autoexame da mamaPara realizar o autoexame da mama é importante fazer a avaliação em frente ao espelho, em pé ou deitada:

Frente ao espelho

Deve-se ficar nua  em frente ao espelho e observar o tamanho, forma e cor das mamas, assim como inchaços, abaixamentos, saliências ou rugosidades.

Primeiro, deixar os braços para baixo, depois levantar os braços e observar as mamas; por fim, coloque as mãos apoiadas na bacia, fazendo pressão para observar se existe alguma alteração na superfície da mama.

Autoexame em pé

Em pé, o melhor momento é quando a mulher está no banho com o corpo molhado e as mãos ensaboadas.

Levante o braço esquerdo, colocando a mão atrás da cabeça e apalpe cuidadosamente a mama esquerda com a mão direita com movimentos circulares. Repita este passo para a mama do lado direito.

Ao se apalpar é necessário que a mulher faça com os dedos da mão juntos e esticados em movimentos circulares em toda a mama e de cima para baixo. Depois pressiona-se os mamilos suavemente para observar se existe a saída de qualquer líquido

Autoexame deitada

Para fazer o autoexame deitada é preciso deitar e colocar o braço esquerdo na nuca, colocando uma almofada ou toalha debaixo do ombro esquerdo para ficar mais elevado e mais confortável. Apalpe a mama esquerda com a mão direita e depois faça o mesmo procedimento com a direita.

Fatores de risco e complicações no câncer de mama

Um fator de risco é algo que afeta as chances de se adquirir alguma doença, como por exemplo, o câncer. Embora os fatores de risco possam influenciar o desenvolvimento da doença, a maioria não a causa diretamente.

Ter algum fator de risco, não significa que você vai ter a doença. O câncer de mama é, em partes, decorrente de uma série de fatores de risco como, por exemplo, gênero, idade, fatores genéticos, histórico familiar e pessoal, raça e etnia, mamas mais densas, doenças benignas na mama, menstruação e radioterapia no tórax. Estes são alguns dos fatores que podem influenciar no desenvolvimento da doença.

Alguns fatores são relacionados ao estilo de vida, como por exemplo: ter o primeiro filho após os 30, não ter filhos, o uso de pílulas anticoncepcionais aumenta o risco de câncer de mama, reposição hormonal após a menopausa, amamentação, obesidade e uso de álcool estão claramente associados a um aumento do risco de se desenvolver câncer de mama.

Exames e Diagnóstico do câncer de mama

Exames e Diagnóstico do câncer de mama

autoexame da mama é um procedimento mensal que se deve fazer sozinha. Contudo, anualmente é necessário a realização de um
check-up com seu mastologista ou ginecologista. Após análise de seu histórico, o médico irá pedir uma ultrassonografia, uma mamografia 2D, mamografia 3D (tomossíntese) ou mesmo uma ressonância magnética. O diagnóstico de câncer de mama somente
pode ser estabelecido quando é realizado uma biópsia na área suspeita por um patologista e assim sendo laudada como um câncer ou não.

O rastreamento e a investigação diagnóstica de um nódulo palpável é feita com base na mamografia. Quando o médico pede o ultrassom das mamas, é para dar complemento à mamografia, ajudando na diferenciação de cistos e nódulos.

Já a ressonância magnética é recomendada para o rastreamento apenas de mulheres com alto risco, pacientes com uma história familiar confirmada ou suspeita, pacientes sabidamente predispostas geneticamente ao câncer ou que já tiveram um primeiro câncer de mama.

Tratamento do câncer de mama

Tratamento do câncer de mama

Após a detecção da doença com os exames necessários para o diagnóstico do câncer de mama, é necessário iniciar os tratamentos. Há dois possíveis tratamentos para o câncer de mama, um clínico e um cirúrgico.

Os tratamentos cirúrgicos envolvem a retirada da mama, a mastectomia, ou parte dela. Os tratamentos clínicos envolvem vários tipos de medicamentos, como os quimioterápicos, os hormonais e também a radioterapia, que deve ser empregada logo após o tratamento cirúrgico.

Após o tratamento é possível fazer a reconstrução da mama, com o próprio mastologista ou cirurgião plástico, colocando implantes mamários, que naturalmente influenciarão na auto estima da mulher e consequentemente na parte psicológica feminina.

Prevenção do câncer de mama

Prevenção do câncer de mama

O câncer de mama ainda não tem prevenção. O diagnóstico precisa ser realizado o mais cedo possível, utilizando-se para isto todos os exames de imagens possíveis. É necessário que façam o autoexame das mamas uma vez ao mês.

E quando a mulher chegar aos 40 anos, a mamografia começa a ser um exame importante para a detecção da doença. É recomendado que seja feito pelo menos uma vez por ano.

O melhor modo de prevenção da doença é estar em dia com os exames, para que não ocorra a detecção tardia com a doença em estágio avançado.

Câncer de mama tem cura?

Todo o câncer de mama é tratável, porém nem todos são curáveis. É preciso identificar a fase em que o tumor foi diagnosticado, para encontrar os melhores procedimentos para tratar a paciente.

O tratamento curativo se aplica aos tumores que estão localizados na mama ou até mesmo com metástase axilar, mas que não atingiram outros órgãos. Sendo assim, o foco é na cura do paciente.

O médico utilizará para o tratamento oncológico a cirurgia, a quimioterapia, a hormonioterapia e a radioterapia. Todos são tratamentos utilizados para o restabelecimento da saúde do paciente.

 

FONTE: http://www.clinicadamama.com.br/quem-somos/o-que-e-cancer-de-mama/

Dez dicas para a manutenção do carro

Postado em

Saiba os prazos em que os principais itens do seu carro precisam ser verificados

Manter a manutenção do carro em dia contribui com a segurança no dia a dia
Divulgação

Manter a manutenção do carro em dia contribui com a segurança no dia a dia

Manutenção é um assunto que pode ser chato para a maioria dos motoristas. Mas é algo do qual não há como escapar para não correr o risco de ficar a pé na hora em que você mais precisa do carro, o que inclui uma viagem com a família. Por isso, dê uma olhada nos principais itens que precisam estar com a manutenção em dia.

1 –  Óleo do motor

Troque o óleo antes de deixar o carro parado na garagem, de preferência por um óleo sem aditivos.
Divulgação

Troque o óleo antes de deixar o carro parado na garagem, de preferência por um óleo sem aditivos.

Deve ser verificado toda semana. Antes de usar o carro pela primeira vez no dia e em um piso nivelado, retire a vareta do óleo e limpe-a para poder medir corretamente o nível do óleo. Faça isso usando um papel ou pano.  Em seguida, basta inserí-la novamente. Ao retirá-la: a marca do óleo deve estar entre as marcas “Mín” e “Máx” da vareta.

2 – Freios

Além dos discos e pastilhas, verifique o estado do fluido e freio a cada dois anos
Divulgação

Além dos discos e pastilhas, verifique o estado do fluido e freio a cada dois anos

Em geral, o fluído do freio deve ser trocado a cada dois anos, ou conforme a recomendação da fabricante, já que tem a propriedade de absorver água, que pode evaporar com o calor dos freios e formar vapor no sistema, que prejudica bastante as frenagens. Se estiverem abaixo da espessura minima, as pastilhas e lonas de freio devem ser substituídas.

3. Correia dentada

Correias dentadas duram em torno de 50.000 kms na maioria das vezes
Reprodução

Correias dentadas duram em torno de 50.000 kms na maioria das vezes

Não vale a pena correr o risco dela se romper, o que pode causar sérios danos ao motor, como o empenamento de válvulas ou furos nos pistões. Deve ser trocada por um bom mecânico. Os prazos de troca variam de acordo com cada modelo de carro e variam entre 30 mil e 50 mil km.

4- Água do radiador

Líquido do sistema de arrefecimento deve ter a proporrcão correta de aditivo
Divulgação

Líquido do sistema de arrefecimento deve ter a proporrcão correta de aditivo

Assim como o nível do óleo do motor, deve ser vista toda semana. Com o motor frio e o veículo nivelado, a água deve estar entre o “Mín” e o “Máx” indicados no reservatório. É muito importante que o líquido de arrefecimento tenha a proporção correta de aditivo de boa qualidade, nunca apenas água pura.

5. Velas de ignição

Velas convencionais costuram durar em torno de 30.000 kms
Divulgação

Velas convencionais costuram durar em torno de 30.000 kms

Se não estiverem em bom estado o consumo aumenta e o desempenho diminui. Portanto, são fundamentais para o bom funcionamento do motor. O tempo entre as trocas varia conforme a recomendação do fabricante. Em geral, os modelos convencionais duram entre 20.000 e 30.000 kms.

6 – Filtros

Filtros também não devem ser esquecidos entre os itens de manutenção do carro
Divulgação

Filtros também não devem ser esquecidos entre os itens de manutenção do carro

 No caso dos filtros de ar deve-se fazer uma limpeza com ar comprimido a cada 7.000 km e trocá-los quando estiverem prejudicando a vazão do ar para dentro do motor. Os de combustível são trocados normalmente a cada 10.000 kms. E os de óleo alternadamente entre as trocas de óleo do motor.

7. Pneus e Rodas

Pneus com menos de 1,6 mm de sulco já precisam ser trocados por novos
Divulgação

Pneus com menos de 1,6 mm de sulco já precisam ser trocados por novos

Os pneus devem ser calibrados frios , a cada 15 dias e antes de viajar.Observe um triângulo ou as letras TWI, impressas nas laterais do pneu. Quando o nível de desgaste atingir este ponto é hora de trocar os pneus. Fazer o rodízio, o alinhamento e balanceamento a cada 10.000 km aumenta a vida dos pneus, melhorando a segurança e dirigibilidade do veículo.

8. Suspensão

Molas, amortecedores e braços de suspensão em dia garantem segurança e estabilidade nas curvas
Divulgação

Molas, amortecedores e braços de suspensão em dia garantem segurança e estabilidade nas curvas

Entre os principais componentes estão os amortecedores e molas. Os primeiros costumam durar em torno de 30.000 kms, mas podem não aguentar tudo isso se o carro sempre passa por piso irregular ou muito esburacado. Molas com elos desgatados já devem estar precisando serem trocadas. Também vale verificar folgas, trincas e quebras em juntas dos braços e barras da suspensão.

9  Óleo do câmbio

Com as caixas de câmbio imantadas, a troca do óleo de transmissão passou a ser dispensável
Divulgação

Com as caixas de câmbio imantadas, a troca do óleo de transmissão passou a ser dispensável

A grande maioria dos carros contam com caixas de câmmbios  imantadas e não querem troca de óleo. Nos outros, o lubrificante deve ser verificado a cada 30 mil quilômetros. Vazamentos são indicações de que o carro precisa de reparos. Para os carros de câmbio automático, é importante a troca de óleo e de filtro conforme indicação do fabricante.

10. Bateria

Tenha certeza de que a bateria está funcionando bem. Ela será importante logo na primeira partida, pela manhã
Divulgação

Tenha certeza de que a bateria está funcionando bem. Ela será importante logo na primeira partida, pela manhã

A maioria das baterias vendidas atualmente no mercado não que exige a adição da água e requer pouca manutencão. Deve-se apenas verificar se os cabos estão limpos e bem fixados aos pólos. Se o carro foi ficar parado por muito tempo, deve-se desligar o cabo do polo negativo para que não descarregue.

Fonte: Carros – iG @ http://carros.ig.com.br/2016-06-17/dez-dicas-para-a-manutencao-do-carro.html

Vai viajar nesse feriado? Veja as dicas que separamos para você.

Postado em Atualizado em

Antes de pegar a estrada:

– Não leve muitas malas, o ideal é que caiba todas no porta-malas.

– Se tiver crianças, não esquece que o seguro é estar na cadeirinha adequada para cada idade. Ver se as cadeirinhas das crianças estão bem encaixada e seguras também é muito importante.

– No carro deve conter, macaco hidráulico, chave de roda, triângulo de sinalização e estepe.

Verificar e ter cuidados mecânicos, o ideal, antes de uma viagem, é levar o carro ao mecânico, assim o especialista poderá verificar todos os itens imprescindíveis para o correto funcionamento do seu carro.

– Sempre verifique se os pneus estão calibrados e não carecas.

Estude o destino e condições de tempo é aconselhável fazer um roteiro exato para o destino, além de checar as condições de tempo.

Se for levar seu animal de estimação não esqueça que o correto é levá-los dentro de compartimentos, aquelas casinhas de transporte, e acomodá-los no banco traseiro, com a ajuda do cinto de segurança, ou no assoalho entre os bancos dianteiros e traseiros.

 

Na estrada:  

– Todos devem utilizar o cinto de segurança.

– Um pouco de planejamento pode diminuir o risco de acidentes. Além dos tradicionais itens mecânicos que devem ser checados no carro, como nível do óleo, calibragem de pneus, funcionamento dos faróis, entre outros.

– Sempre ligar o farol baixo nas estradas.

– E o mais importante se estiver com sono não dirija.

– Evite ultrapassagens em estradas em via de mão dupla.

– Se estiver chovendo ou com neblina não esqueça de diminuir a velocidade e manter os faróis baixos.

– Só pare no acostamento se for emergência segundo a Polícia Militar, “o uso do acostamento é exclusivo para emergências, que podem ser do carro, do motorista ou de algum ocupante”

– Mantenha distância e atenção com os outros veículos.

Fontes: http://g1.globo.com/natal-e-ano-novo/2012/noticia/2012/12/vai-viajar-de-carro-veja-dicas-de-seguranca-e-o-que-checar.html

http://turmadamonica.uol.com.br/dicas-de-seguranca/

VOCÊ APOIA ESSA PROPOSIÇÃO?

Postado em

Capturar

Política Nacional de Mobilidade Urbana – Lei nº 12.587/12

Cartilha da Lei nº 12.587/12

A Lei 12.587/12, conhecida como Lei da Mobilidade Urbana, determina aos municípios a tarefa de planejar e executar a política de mobilidade urbana. O planejamento urbano, já estabelecido como diretriz pelo Estatuto da Cidade (Lei 10.257/01), é instrumento fundamental necessário para o crescimento sustentável das cidades brasileiras. A Política Nacional de Mobilidade Urbana passou a exigir que os municípios com população acima de 20 mil habitantes, além de outros, elaborem e apresentem plano de mobilidade urbana, com a intenção de planejar o crescimento das cidades de forma ordenada.

Fonte:http://www.capacidades.gov.br/biblioteca/detalhar/id/269/titulo/politica-nacional-de-mobilidade-urbana—lei-n%C2%BA-1258712

1- *CONFIRME O VOTO S I M* 👍🏻

2- *CLIQUE NA IMAGEM DO FACEBOOK*

3-(Se você não tiver Facebook) *CLIQUE NA IMAGEM DO GOOGLE GMAIL*

4- (Se você não tiver Facebook e nem Google Gmail) *Crie um USUÁRIO e SENHA no site*

5- *Pronto, finalize seu voto* *Abaixo segue o link correto*👇🏻👇🏻

Link para votação – https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=128659&voto=afavor

Como funciona o carro híbrido

Postado em Atualizado em

TEMPO DE LEITURA: 8 MINUTOS

Entre os carros que menos poluem no mundo e que apresentam maior eficiência energética estão os modelos híbridos.

Um carro híbrido pode ser definido como veículo que possui mais de uma fonte de força motriz. Essas, utilizadas em conjunto ou separadamente, visam sempre a maximização da eficiência energética do veículo, isto é, menor consumo de combustível possível, com a maior autonomia e menor emissão de poluentes.

Entre as fontes de força motriz se destacam os motores de combustão interna e o elétrico, bem como as células de combustível, sendo, entretanto, os dois primeiros, as fontes mais conhecidas e utilizadas atualmente.

Mas como exatamente funciona um híbrido de motores elétrico e de combustão? Como ele pode ser tão econômico? É o que vamos examinar neste post.

SONY DSC

Informações básicas

Como muitos sabem, os carros híbridos são notadamente mais econômicos que os carros movidos à combustão, principalmente se considerarmos os trajetos urbanos, onde a relação de consumo pode chegar a quase 19 km/L, como no Toyota Prius, carro mais econômico do Brasil segundo o Inmetro.

Toda essa economia é possível pela combinação, no híbrido, do melhor da tecnologia do motor de combustão e elétrico.

Em um carro com motor tradicional, à combustão, o tanque de combustível fornece gasolina/álcool/diesel para o funcionamento do motor que, ligado ao sistema de transmissão, transforma a energia química da combustão em mecânica, movimentando as rodas.

Esse motor é projetado sempre com a finalidade de atingir o melhor desempenho possível, normalmente relacionado à potência apresentada. Mas toda a força de um motor de combustão interna tem um custo alto: alta taxa de emissão de poluentes e, em geral, pior relação de consumo.

Um carro elétrico, por sua vez, é abastecido com energia elétrica, armazenada em um conjunto de baterias. Esse conjunto fornece eletricidade para o motor que, ligado à transmissão, transforma a energia elétrica em mecânica girando as rodas.

Os modelos elétricos são conhecidos como carro verdes, já que a emissão de gases estufa é inexistente. Mas as principais críticas feitas à esse motor são baixa potência, pouca autonomia e demora no carregamento das baterias.

Com o objetivo de atacar ou minimizar os problemas centrais dessas duas alternativas, motor de combustão interna e elétrico, surgiram os veículos híbridos. Apesar de apresentar os dois sistemas, mudanças significativas foram incorporadas, garantindo resultados de eficiência muito superiores que as tecnologias separadas.

No híbrido, o motor a combustão além de menor, utiliza um ciclo de funcionamento diferenciado, como veremos adiante, para aumentar a eficiência energética e reduzir o nível de emissão de poluentes. Já o motor elétrico, modificado, permite tanto a atuação como motor, que extrai energia das baterias para o movimento das rodas, como de um gerador, que devolve a energia das rodas  para o carregamento das baterias.

Nas versões mais modernas, em carros híbridos mistos, a aceleração e velocidade são interpretadas por um computador. Esse sistema define, então, pelos padrões recebidos, qual a força necessária para a manutenção, redução ou aumento da velocidade, acionando, conforme o caso, o motor à gasolina ou elétrico.

Na prática a combinação dos dois sistemas supre, de um lado, a demanda por potência e autonomia do motor elétrico e , de outro, a demanda por menores emissões de poluentes e maior economia do motor a combustão.

Híbrido em série, paralelo e misto
Volt carro híbrido da GM
Chevrolet Volt

Série

Nos carros híbridos em série existem duas fontes de energia interligadas, em sequência. A saída da primeira fonte, geralmente o motor de combustão interna, alimenta a entrada da segunda  fonte, motor elétrico, sendo esta fonte a única responsável pela tração das rodas. Nesse sistema, portanto, o motor de combustão interna é utilizado apenas para geração de energia elétrica,  para o carregamento das baterias e o próprio funcionamento do motor elétrico, sem comunicação com as rodas.

São exemplos de veículos híbridos em série o Opel Ampera e o Chevrolet Volt.

Paralelo

No caso dos híbridos paralelos, os dois motores, tanto o elétrico quanto o de combustão interna são utilizados para gerar tração, mas apenas um deles é  o principal responsável pela locomoção do veículo enquanto o outro se comporta como auxílio extra para melhoria no desempenho.

Com esse sistema estão equipados os Honda Civic Hybrid e Insight.

Misto

O terceiro sistema é o híbrido misto, por meio do qual é possível que os motores atuem isolada ou simultaneamente, ambos ligados à mecânica das rodas. Quando atuam em conjunto, um dos motores fornece energia de tração enquanto o outro se ocupa da geração de energia elétrica.

Como dissemos anteriormente, nesse sistema a aceleração e velocidade do carro são interpretadas por um computador que define, então, pelos padrões recebidos, qual a força necessária para a manutenção, redução ou aumento da velocidade, acionando, conforme o caso, o motor à gasolina ou elétrico.

Entre os carros que utilizam esse sistema estão o Toyota Prius, o Lexus CT200h e o Ford Fusion Hybrid.

ford fusion híbrido

O atual carro presidencial do Brasil é híbrido, doado pela Ford em 2011, o Fusion Hybrid.

Eficiência energética

Na atualidade, um carro híbrido é especialmente projetado com modificações mecânicas e estruturais para garantir menor consumo de combustível.

A começar pela diminuição do tamanho do motor a combustão, que exige menor volume de combustível em cada ciclo, visando não a potência máxima de funcionamento, mas apenas a média, já que há complementação pelo motor elétrico.

O motor de combustão ainda funciona com o Ciclo de Atkinson, que permite que o período de expansão no cilindro seja maior que o tempo de compressão, resultando em melhor eficiência térmica e menor gasto de combustível que a média dos motores tradicionais.

Ciclo de Atkinson carro híbrido
By MichaelFrey [CC BY-SA 4.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)%5D, via Wikimedia Commons.

Outra modificação extremamente positiva aconteceu no motor elétrico, com a chamada frenagem regenerativa ou recuperativa. Na prática, ao pisar no freio ou aliviar a pressão do acelerador, o motor elétrico é colocado em modo reverso, o que desacelera o carro e transmite a energia do movimento das rodas para o motor, gerando energia elétrica que será armazenada nas baterias.

Finalmente, além da motorização, os carros híbridos buscam a eficiência energética através de fatores estruturais.

Entre eles se destaca a busca por uma aerodinâmica avançada, com diminuição da área frontal, saliências e reentrâncias e utilização de saias nas aberturas das rodas, melhorando o fluxo de ar e diminuindo o arrasto aerodinâmico.

Outros procedimentos comuns implantados no híbridos para aumentar a eficiência incluem a utilização de pneus de baixa resistência e diminuição geral do peso do carro e seus componentes, exigindo menos energia para o deslocamento.

Carro híbrido no Brasil

Os arquivos da história dos automóveis apontam o Lohner-Porsche Mixte, como o primeiro carro híbrido produzido no mundo. O até então protótipo, apelidado de Semper Vivus, foi apresentado no Salão do Automóvel de Paris, em 1901, com sistema conhecido hoje como híbrido-paralelo.

Quase um século depois, em 1997, o ambicioso projeto alemão foi finalmente adaptado e executado pelos japoneses. O Toyota Prius se tornou, então, o primeiro carro híbrido produzido e comercializado em série no mundo.

No Brasil, a venda de carros híbridos começou apenas em 2010 com o Mercedes-Benz S400 e ainda é tímida.

Apesar de todas as vantagens do carro híbrido, como maior eficiência e autonomia, bem como menor emissão de poluentes, os modelos ainda possuem preço elevado e, portanto, reduzido volume de vendas.

Mas o futuro é promissor.

Com o aumento no preço do petróleo a longo prazo e os riscos da poluição à saúde das pessoas, governos e empresas de países centrais já investem em pesquisas de baterias de alta densidade, motores elétricos, redes de distribuição de eletricidade inteligentes e sistemas de recarga de veículos.

A busca por meios alternativos de energia apenas se intensificará nas próximas décadas, inclusive no setor automotivo.

Fonte:http://blog.carlider.com.br/2016/09/16/carro-hibrido/