NOTÍCIAS

Convite

Postado em Atualizado em

 

Festa de confraternização da Ligue Taxi 2017

RESERVE SEU CONVITE NA TESOURARIA Fone: 11 2101-3013

O evento será realizado no DIA 2 DE DEZEMBRO DE 2017 das 8:00 h às 16:30 h .

email.jpg

Anúncios

Novembro Azul 2017: Tudo sobre a vigilância ativa no câncer de próstata

Postado em Atualizado em

imagem sem descrição.

Tratamento consiste no monitoramento periódico da doença

A vigilância ativa é um tipo de tratamento seguro para o câncer de próstata que se popularizou nos últimos anos. Caracterizada pelo acompanhamento periódico do tumor, sem que se faça uma cirurgia para sua retirada ou radioterapia, mas mantendo a possibilidade de um tratamento curativo quando for preciso, a vigilância ativa é indicada para tumores pequenos e de baixo risco (pouco agressivos).

Para entender melhor a vigilância ativa, o Portal da Urologia conversou com o urologista de Belo Horizonte e ex-presidente da SBU Dr. Carlos Corradi. Veja:

– O que é vigilância ativa?

A vigilância ativa consiste no monitoramento do câncer de baixo risco e pouco volume por meio de exames e consultas periódicas, normalmente a cada seis meses. Essa classificação é baseada no toque retal, PSA, métodos de imagem como a ressonância multiparamétrica e principalmente na biópsia da próstata.

Um tratamento definitivo, como a prostatectomia radical (retirada da próstata) ou radioterapia (método capaz de destruir células tumorais com radiação ionizantes), somente será indicado caso haja progressão da doença em pacientes com expectativa de vida maior que dez anos. Esse tratamento depende muito da aderência/comprometimento do paciente.

– Desde quando a vigilância ativa começou a ser adotada como tratamento para o câncer de próstata?

Os estudos iniciais começaram há cerca de 15 anos com o Prof. Laurence Klotz, do Canadá, e foi mais popularizada nos últimos anos.

– Há algum risco de se adiar o início do tratamento do câncer porque se optou inicialmente pela vigilância ativa?

Desde que o paciente faça os exames periodicamente, conforme seu urologista determina, nos tumores de baixo risco, a possibilidade é pequena.

– Homens jovens podem fazer esse tratamento?

Estudos recentes mostraram os mesmos resultados oncológicos de sobrevida, independentemente da idade do paciente. Portanto, a idade não é fator importante na vigilância ativa, somente os critérios de baixo risco.

– Quais os benefícios de se ficar em vigilância ativa?

Os benefícios são evitar os efeitos adversos derivados de um tratamento radical, como incontinência urinária e disfunção erétil, que são raros, mas podem acontecer com a prostatectomia radical ou radioterapia.

– Há algum estudo que apresente a porcentagem de sobrevida de quem opta por esse tratamento?

Os estudos mostram que naqueles pacientes que não tiveram progressão da doença, isto é, em torno de 70% dos pacientes que ficaram em vigilância ativa em 15 anos, a taxa de mortalidade por câncer de próstata foi menor que 5%.

– No Brasil e no mundo, qual o número estimado de pacientes em vigilância ativa?

Não se tem a porcentagem de pacientes brasileiros que estão em vigilância ativa. Nos EUA estima-se que estão no protocolo em torno de 40% dos pacientes com doença de baixo risco.

– A vigilância ativa é oferecida no SUS?

Sim. Em diversos serviços do SUS a vigilância ativa é realizada da mesma forma que nos pacientes privados, dependendo muito da aderência do paciente a esse tratamento.

Fonte: Portal da Urologia

Nossa Vinheta da Ligue-Táxi

Postado em Atualizado em

Nossa parceira, CBN, criou uma vinheta especial para a nossa Rádio Táxi.
Confira o áudio.
vb

A Importância do Cinto de Segurança

Postado em

Os cintos de segurança são o meio mais eficaz que se dispõem para reduzir o risco de ferimentos graves e mortes em acidentes de automóvel. Para sua própria proteção e dos demais ocupantes do veículo utilize sempre os cintos de segurança quando o veículo estiver em movimento. Gestantes e pessoas fisicamente debilitadas também devem utilizar os cintos de segurança, elas estão mais propensas a ficarem seriamente feridas se não estiverem usando cintos de segurança.

Nossos taxista sempre frisa o uso do cinto de segurança. Use o cinto e preserve a sua vida nunca sabemos a consequências dos outros motoristas.

O cinto de segurança impede, em caso de colisão, que seu corpo se choque contra o volante, painel e pára-brisas, ou que seja projetado para fora do carro. Os passageiros sentados no banco traseiro, sem os cintos de segurança, não somente se põem em perigo, como também colocam em perigo os passageiros dos bancos dianteiros. Numa colisão frontal eles também se moverão para a frente onde podem bater e ferir o motorista ou passageiro do banco dianteiro.

Em uma colisão de veículos a apenas 40km/h, o motorista pode ser atirado violentamente contra o pára-brisas ou arremessado para fora do carro. Alguns motoristas pensam que podem amortecer o choque segurando firmemente no volante. Isto é ilusório, porque a força dos braços só é eficaz a uma velocidade de até 10 km/h.

Estatísticas sobre acidentes mostram que passageiros que usam corretamente os cintos de segurança, têm um risco menor de se ferirem e uma chance muito maior de sobreviverem num acidente. Por este motivo, a utilização dos cintos de segurança é exigida legalmente na maioria dos países.

Lembre-se!

O uso do cinto não é opcional. Faz parte das condições de segurança do carro, assim como os freios. Se o carro estiver a 20 km/hora e colidir, a cabeça dos ocupantes será projetada na mesma velocidade contra o pára-brisa. É o suficiente para provocar a perfuração do globo ocular. Portanto, o uso do cinto de segurança é necessário mesmo em baixa velocidade. Imagine o que pode acontecer a 50, 80 ou 100 km / hora.

Fonte: blog duoblindagens.

Obra de Tomie Ohtake na Avenida 23 de Maio passa por limpeza e restauro

Postado em

A Ligue-táxi da os parabéns a prefeitura de São Paulo, pela reforma dessa magnifica obra.

O monumento projetado pela artista Tomie Ohtake para homenagear os 80 anos da imigração japonesa teve suas cores renovadas e sua iluminação restaurada. Instalada no canteiro central da Avenida 23 de Maio, a obra foi limpa pelo Programa Cidade Linda e restaurada por meio de uma parceria entre o Instituto Tomie Ohtake e a Coral, marca de tintas da empresa Akzo Nobel. O prefeito ressalta a importância para a capital de parcerias com as empresas e se coloca à disposição de outros representantes da iniciativa privada que desejarem contribuir com a cidade.

“Esse é um trabalho que estamos fazendo dentro do Programa Cidade Linda, sob a coordenação do Bruno Covas. E essa é uma obra representativa da cidade. Ela estava vandalizada, mutilada, pichada e foi recuperada em oito dias, com o trabalho coordenado pelo instituto Tomie Ohtake e realizado por uma equipe Akzo Nobel, a quem eu faço mais uma vez, um agradecimento, por ter aceito esse convite de para recuperar uma obra da cidade”, afirmou o prefeito João Doria.

Localizada na principal ligação entre as regiões Norte e Sul da cidade, na altura do Centro Cultural São Paulo (CCSP), a obra possui quatro lâminas de concreto armado com cerca de 40 metros de comprimento, 4 metros de altura e dois metros de largura cada uma.

Monumento da Tomie Ohtake – antes da ação da Prefeitura de São Paulo

Monumento da Tomie Ohtake – depois da ação da Prefeitura de São Paulo

Em 14 de janeiro, as estruturas passaram por serviços de limpeza, realizados por uma equipe de 12 pessoas com uma máquina antares (de alta pressão). A lavagem retirou os resíduos de poluição e a tinta de pichações.

Em seguida, no dia 16 de janeiro, uma equipe de restauro lixou a obra, para retirada da tinta, e aplicou uma base que prepara o concreto para a pintura.  O próximo passo foi a pintura das lâminas nas cores amarelo, laranja, verde e azul, conforme as orientações deixadas pela artista. “A pintura da parte interna das ondas já foi refeita três ou quatro vezes. A Tomie mudava as cores e decidimos manter o último projeto, que ela acreditava que deixava a escultura mais leve”, explicou Ricardo Ohtake, filho da artista e diretor do Instituto Tomie Ohtake. A última repintura da obra ocorreu há 7 anos.

A recuperação da obra integra as atividades da operação Cidade Linda, que atou na última na Avenida 23 de Maio, no trecho entre a Praça da Bandeira e a região do Parque Ibirapuera, em ambos os sentidos. As formas onduladas do monumento também foram valorizadas com a renovação da iluminação do local. Durante a ação, duas das doze luminárias do local foram trocadas.

“A recuperação é importante para a cidade, e não para a família. A população precisa respeitar as obras de arte e a arquitetura que estão nas ruas”, avaliou Ricardo Ohtake.

Sobre a artista
Falecida em 2015, Tomie Ohtake nasceu no Japão e viveu por quase 80 anos no Brasil. O monumento da Avenida 23 de Maio, inaugurado em 1988, comemora os 80 anos da chegada do primeiro grupo de imigrantes japoneses ao Brasil em 1908, a bordo do navio Kasato Maru. As lâminas da obra representam quatro gerações de japoneses no país.

Fonte: http://capital.sp.gov.br/noticia/obra-de-tomie-ohtake-na-avenida-23-de-maio-passa-por-limpeza-e-restauro

Toyota lança site especial em português para comemorar os 50 anos do Corolla

Postado em

Há 50 anos, em 20 de outubro de 1966, época em que a demanda por veículos de passeio começara a crescer no Japão, a Toyota lançou a primeira geração do sedã médio Corolla.

Para celebrar esta importante data na história de um dos modelos de maior sucesso no mundo dentro do portfólio da fabricante, a Toyota está lançando website comemorativo pelos 50 anos do Corolla, em português. O site pode ser acessado por meio do link: http://www.toyota.com.br/modelos/corolla/50-anos/

O conteúdo será atualizado periodicamente. Por este motivo, o internauta poderá visitar o site oficial dos 50 anos do Corolla diariamente e verificar as novidades por lá.

Um pouco de história

A Toyota Motor Corporation foi fundada em 1937, tendo como principal objetivo contribuir para o desenvolvimento da indústria automobilística no Japão. Três décadas depois, nasceria o modelo Corolla, fruto de um crescente interesse por carros naquele país. O design da primeira geração do sedã teve como base o conceito “80 Point Doctrine +α”.

O conceito estipulava que o veículo deveria atingir uma média de 80 pontos dentro de uma escala que variava no máximo até 100, sendo necessário, ainda, acrescentar algumas características extras específicas, denominadas de +α, para conceder ao modelo recursos adicionais à sua aparência e, desta forma, superar as expectativas dos consumidores.

Ao longo das últimas cinco décadas, mesmo com toda a evolução do Corolla em 11 gerações, a Toyota continuou a aplicar este conceito de maneira consistente para todos os seus modelos vendidos no mundo.

A primeira geração do Corolla nasceu no Japão no ano de 1966. Atualmente, 13 países produzem o sedã médio, que já atingiu a marca de mais de 1,3 milhão de unidades comercializadas anualmente em cerca de 150 países. Desde o início de sua produção, o

Corolla soma 44 milhões de unidades comecializadas em todo o mundo, marca que o coloca como o veículo mais vendido de todos os tempos.

Durante os últimos 50 anos, consumidores de todas as partes do mundo compartilham o mesmo carinho pelo Corolla. Por isso, o time de desenvolvimento da Toyota tem trabalhado constantemente para superar as expectativas de seus clientes. O website oficial do 50º aniversário do sedã médio de maior sucesso na indústria traz, também, histórias de membros da equipe que fazem parte desta longa jornada.

A homepage destaca diversos aspectos históricos sobre o Corolla, que inclui relatos de proprietários atuais e de gerações passadas, a história do próprio veículo, comentários dos desenvolvedores responsáveis e muito mais.

Sobre o website 50 anos de Corolla

As seguintes sessões estarão disponíveis no website oficial da Toyota sobre os 50 anos de Corolla:

Relatos: A história do Corolla sob a ótica de vários consumidores ao redor do mundo e de diferentes gerações;

Histórias: Evolução do modelo desde sua primeira geração e suas respectivas épocas;

Mensagens: Depoimentos dos engenheiros chefes do produto;

Galeria: Fotos históricas das várias gerações do Corolla;

Corolla no Brasil

As primeiras unidades do Corolla desembarcaram no Brasil em 1994, em um período marcado pelo início das aberturas de importação de modelos internacionais no País. Por conta do crescente interesse dos consumidores brasileiros pelo sedã da Toyota, destacado pelo reconhecimento e repercussão internacional do Corolla ao redor do mundo, a fabricante decidiu iniciar a produção do Corolla em território nacional a partir de 1998, após dar início às operações em sua fábrica no município de Indaiatuba (SP), construída para produzir as primeiras versões do Corolla nacional, que já estava em sua oitava geração.

Daquela época até os dias atuais, o sedã médio vem se destacando como um dos veículos de maior sucesso em vendas de seu segmento em todo o Brasil, com mais de 790 mil unidades negociadas. Só em 2016, o modelo chegou à marca de 53.750 veículos vendidos no período de janeiro a outubro, mantendo a liderança absoluta entre todos os sedãs médios nacionais, com quase 50% do total de emplacamentos nesta fatia de mercado.

Para acessar este press release, bem como todo o material de imprensa da Toyota do Brasil, como fotos e vídeos, visite www.toyotaimprensa.com.br
_______________________________________________________________________________

A Toyota do Brasil Ltda. conta com quatro unidades produtivas nas cidades paulistas de Indaiatuba, Sorocaba, Porto Feliz e São Bernardo do Campo, cidade que também abriga um Centro de Pesquisa Aplicada e um Centro de Design. A empresa conta ainda com três centros de distribuição de veículos em Guaíba (RS), Vitória (ES) e Suape (PE), um centro de distribuição de peças em Votorantim (SP), um escritório de representação em Brasília (DF), e mais de 5.600 colaboradores. Fundada em 1937, a Toyota Motor Corporation (TMC) é uma das fabricantes de veículos para passageiros e comerciais mais representativas do mundo. Com produção em 28 países e regiões e vendas em mais de 160 países, a empresa é detentora das marcas Toyota, Lexus, Daihatsu e Hino. A Toyota possui ações nas Bolsas de Valores de Tóquio, Nagoya, Osaka, Fukuoka e Sapporo (Japão), Nova Iorque (EUA) e Londres (Reino Unido) e emprega atualmente mais de 344.000 colaboradores em todo o mundo. Mais informações podem ser obtidas nos sites http://www.toyota-global.com/ e www.toyota.com.br ou www.facebook.com.br/toyotadobrasil

 

Informações à Imprensa

Toyota do Brasil – Departamento de Comunicação
Erick Boccia – Chefe de Comunicação – (11) 4390-4168– eboccia@toyota.com.br
Rafael Borges – Chefe de imprensa (11) 4390-4177 – raborges@toyota.com.br
Heloisa Ribeiro – (11) 4390-4092 – hribeiro@toyota.com.br

Camila Rodrigues – (11) 4390-4167 – casantos@toyota.com.br

Toyota do Brasil – Solicitação de veículos para testes

Danielle Morim – (11) 4390-5720 – dmorim@toyota.com.br

Printer Press Comunicação CorporativaAssessoria de Imprensa
Leandro Volcov – (11) 4390-4094 – lvolcov.printerpress@toyota.com.br
Kelly Buarque – (11) 4390-4018 – kbuarque.printerpress@toyota.com.br

Novembro 2016

Prefeitura regulamenta aplicativos de táxi

Postado em Atualizado em

Empresas que atuam na capital serão cadastradas e deverão ter sede no município.

1

A Prefeitura regulamentou os aplicativos de táxi em lei publicada nesta terça-feira (5) no Diário Oficial. De acordo com as novas regras, empresas que oferecem o serviço de intermediação tecnológica entre passageiros e motoristas deverão se cadastrar junto à administração municipal e ter sede na capital.

A lei sancionada (nº 16.345) cria regras para o serviço Transporte Individual Remunerado de Passageiros – Táxi, em casos de solicitação por aplicativo ou internet. As empresas que atuam no setor deverão ser credenciadas, processo em que terão que apresentar cópia de seu contrato social ou estatuto, com a qual comprovarão endereço de sua sede em São Paulo.

Caso não estejam regulares, as empresas responsáveis pelos aplicativos poderão ser multadas em R$ 50 mil. Para o taxista prestador de serviço, por sua vez, a multa é de R$ 3.800, além da apreensão do veículo e bloqueio no licenciamento junto ao Detran, até o pagamento da taxa.

Durante o período de cinco anos, contados a partir da primeira infração, a punição dobra de valor caso haja reincidência.

Os valores das multas são reajustados anualmente pelo Índice Geral de Preços da Fundação Getúlio Vargas (IGP-M – FGV).

De acordo com a lei, os procedimentos para o cadastramento e detalhes serão regulamentados.

Alteração
Também foi publicada nesta terça-feira (5) lei que altera o valor da multa para quem realiza transporte, remunerado individual de passageiros sem que o veículo esteja autorizado para esse fim. A lei será aplicada nos casos em que seja flagrado transporte irregular independente da utilização de aplicativos. Um exemplo são os chamados “táxis geladeira”, que não possuem alvará e nem taxímetro oficial. A punição para os infratores passa de R$ 1.915,85 para R$ 4.500. O documento modifica a lei nº 15.676, de dezembro de 2012.

18:41 05/01/2016 De Secretaria Executiva de Comunicação

Fonte: Prefeitura